Guri da Crônica

Democracia é ter respeito

Eu pensei em fazer um vídeo comentando sobre o momento atual da política brasileira, mas aí pensei melhor e lembrei que meu canal tem conteúdo mais sarcástico e na maioria das vezes fala de Londres, então não seria o melhor canal pra falar disso. Porque desta vez quero falar sério mesmo…

Eu li várias matérias sobre tudo o que está acontecendo no Brasil recentemente e pra começar não aceito o “não opina porque tu não tá aqui”. Tenho um passaporte Brasileiro, nasci no Brasil e minha família TODA mora no país. Vou tentar fazer o máximo de considerações sobre o assunto neste post pra não falar mais sobre isso no meu Facebook ou em qualquer outra rede social, porque se eu já tô de saco cheio, imagina quem lê. Então desculpa pelo tamanho do texto, mas precisava ser assim sim.

Pra começar, quero falar sobre a mídia. Eu estudei jornalismo, fiz mais ou menos meia faculdade, mas não cheguei a me formar. Considero isso bom. Aprendi a formar minhas opiniões da minha maneira e expressar elas da minha maneira também. Sem uso de entrelinhas, macetes chatos e linguagem mais chata ainda. Pois bem, a mídia… Fala-se tanto de a mídia ser golpista e sensacionalista no Brasil, o que realmente acho que não é um problema de agora. Lembro de ter visto no curso aquele famoso direito de resposta do Brizola xingando a Globo durante o Jornal Nacional. Lindo. Mas aí me pergunto: quer dizer que a Globo mudou de lado então!? Brizola era PDT.

Eu nunca ouvi falar de um veículo de mídia que não tenha sofrido com acusações de imparcialidade. Aprendemos no curso de jornalismo que não tem como ser imparcial. Ponto. Não, nem a Carta Capital não é – eu diria que bem pelo contrário. O problema é que se a mídia divulga os fatos ela é coxinha reaça direita blablabla. Se ela não divulga nada ela é esquerda petista CUT sem terra. A mídia, sabemos disso, mostra o que o povo quer ver. O que lhes dá audiência. Por isso a Globo, Record e SBT são líder e a TVE não tem muita audiência. A forma desesperada como a mídia trata o assunto pode ser sensacionalista, mas não sei por que estamos tão impressionados. Estamos falando de empresas gigantes que querem vender espaços publicitários e trazer anunciantes para si, de empresários vaidosos que tratam a concorrência como uma guerra.

Mas para muitos não é só a Globo que mente. O SBT também, a Record, a BBC, o The New York Times, o The Guardian, o El País, todos. Sim, porque caso não tenha visto fomos notícia em todos estes meios. E estamos falando de jornais sérios e não de tablóides.

No momento atual temos que desconfiar de qualquer informação, em especial as compartilhadas em redes sociais. Eu falo de informação e não de opinião. Estou vendo pessoas compartilhando notícias de dois meses atrás dizendo que Renan Calheiros era réu da Lava-Jato como se fosse algo recente. Ainda assim é uma notícia boa, mas não é recente. Só não foi feito tanto alarde na época da notícia. Ainda não sabíamos discutir sobre política.

O Brasil está se degladiando e dividido, como se fossem maragatos e chimangos durante a Revolução Farroupilha. A pergunta é: por quê!? A gente precisa disso? A gente está tentando separar um povo, a nação ou algo assim? Não. Estamos , ou deveríamos estar, todos lutando pelo mesmo ideal: o repúdio à corrupção no país. Deu. Chega. O povo cansou de vez. O que gostei foi de um trecho que li no The Guardian: “Brazil’s entire political class is now in the firing line. Opposition politicians who attempted to join Sunday’s anti-government protests were booed and forced to leave. Alongside Lula and Rousseff, Brazil’s vice-president, speaker of the house, president of the senate and main opposition leader have all been accused of involvement in the Petrobras corruption scandal.”

Mas OK, isso é o que deveria estar sendo feito. Na prática a gente vê outra coisa:

Coxinhas e petralhas. Isso é o que temos. É mania do brasileiro fazer isso. Uma coisa ou outra. Não há debate, não há reflexão sobre o cenário todo. Não. Ou você é coxinha ou você é petralha. Pois veja bem caro leitor, eu não sou nem um nem outro. Sim, acredite, você não precisa escolher. Fato é que eu não votei no PT, não votaria (é meu direito numa democracia), mas ainda assim não sou coxinha e nem petralha. Eu até fico abismado com o que está acontecendo no Brasil justamente por isso. Vivemos numa democracia onde todos tem o direito ao voto e às suas escolhas. Nas últimas eleições presidenciais o Brasil quase se dividiu ao meio nas urnas. Mas ninguém brigou, ninguém bateu em ninguém e aceitamos os números do resultado. Fim. Desde o fim da ditadura, quando as eleições são por voto direto, temos opiniões diferentes, contrárias uns aos outros e que não somos MESMO obrigados a concordar. E nem deveríamos ser. Que graça teria? Mas… Porque tem que ser diferente hoje? Por que se alguém tem alguma opinião diferente da minha eu não sou capaz de debater e mesmo assim, ao final de tudo, ainda discordarmos e tomar uma cerveja juntos?

Porque somos imediatistas. Este é um grande problema do brasileiro. Querer tudo pra já. Eu até costumo dizer que o Brasil foi feito nas coxas. Desde que deixou de ser colônia extrativista de Portugal o Brasil foi feito aos trancos e barrancos, sem muito planejamento, gerou muito dinheiro, cresceu rapidamente, e poderia hoje ser uma grande potência econômica (não venha me dizer que já é. Sério, não). E desde esta época o Brasil tem a cultura do “faz de qualquer jeito, depois a gente vê”. Só que desta vez parece que não vai ser bem assim. A operação Lava-Jato já perdura por dois anos, muita coisa já se descobriu e muita coisa ainda vai se descobrir. O nosso papel, na minha opinião, é aplaudir tudo o que está sendo feito pra apontar todo e qualquer suspeito de estar envolvido com qualquer esquema de frauses e corrupção e deixar que a justiça se encarregue dele. Não importa se é feita por um Juíz de primeira instância ou pela Suprema Corte. Pra nós, povo brasileiro, que depende deste sistema pra viver (ou tentar viver) o que mais importa é isso.

Sejamos menos apaixonados, é hora de deixar o coração de lado e começar a pensar com a razão, com o raciocínio.

Não me interessa nem um pouco se o Lula foi ou não um bom Presidente. Ele não é mais Presidente, e o que interessa é que se ele roubou ele deve ser preso. Se ele pode ser investigado, ele tem que ser investigado. O mesmo se aplica a Aécio, Renan Calheiros, Fernando Henrique Cardoso ou Winston Churchill. A Constituição Brasileira diz que somos todos iguais perante a lei, então porque alguns ficam tão ardidos ao ver o ex-Presidente sendo julgado é incompreensível na minha opinião.

Eu até comparo este caso com o seguinte: vamos dizer que eu ajude os pobres, que todos os meses eu dê dez cestas básicas para comunidades carentes. Beleza. Chegou o final do ano eu simplesmente vou mentir pra Receita Federal e sonegar meus impostos, pra ficar com uma mordida maior. Isso é certo? Não, não é certo. nada justifica o crime. Nada. Neste cenário eu estaria inclusive sendo tão corrupto quanto qualquer outro nome citado neste texto.

E este é um outro grande problema da sociedade brasileira. A corrupção nata. A gente nasce e aprende o que é certo e o que é errado. Eu agradeço a Deus por meus pais sempre terem me ensinado isso direito e eu ser a pessoa que sou hoje. Mas não nego que já tenha sido corrupto, mesmo que seja pra imprimir coisas pessoais na impressora da empresa. Ser corrupto não é apenas desviar R$ 1 milhão (se fosse só isso). Ser corrupto é roubar a caneta da empresa porque tem várias ou não devolver o troco que veio a mais. Tá bom por aqui, não tô escrevendo isso pra dar lição de moral. HAHA

Nem vou falar de intervenção militar ou Bolsonaro porque isso seria ridículo e completamente extremista – e mais um sintoma do imediatismo. Professores de história, guardem os fatos e sua energia pros seus alunos. Precisamos de embasamento histórico, já temos, OK, mas agora a questão é outra e é “nova”: corrupção. A Ditadura acabou (em parte, ao menos) e a Constituição de 88 ainda está fresca (em parte, ao menos). Repito: a questão hoje em dia é outra e se guardem para seus alunos.


Os últimos acontecimentos da Lava-Jato foram ainda mais efervescentes, nisso todos nós concordamos, certo!? Perfeito. Na minha opinião (isso, aquela que deve ser respeitada e que também estou respeitando) não há problema algum em Sérgio Moro interceptar ligações telefônicas do ex-Presidente e da atual Presidente. Se Lula está sendo investigado é mais que correto. E estaria de acordo mesmo que fosse Aécio, Serra, FHC ou David Cameron. O próprio Lula chega a falar que está “assustado com a República de Curitiba”. Mas eu sinceramente não vejo qual o motivo do alarde. O que vejo é um juíz tendo culhões e exercendo o seu trabalho como todos os outros profissionais do Judiciário deveriam o fazer, sendo pró-ativo a favor da população. Se todos fossem grampeados e tudo fosse divulgado seria um problema? Não se fossem políticos, na minha opinião. Até seria uma ótima ideia, pra ter certeza que todas as ligações feitas em telefones pagos pelo poder público são de necessidade. Eu mesmo já trabalhei de estagiário numa Prefeitura e sei como isso funciona. E é revoltante, lhes garanto.

Se alguém ficar escondido dentro do gabinete do Presidente, seja ele quem for e de que partido for, e descobrir um esquema de fraude ou jogadas políticas, tem que ser publicado mesmo. O povo não é corno pra ser o último a saber.

Mas a paixão nos cegou mais uma vez. Alguns ficaram revoltados por Moro grampear o telefone da Presidente, outros foram favoráveis, poucos sabiam que era do Lula e de seu assessor. E mesmo que fosse da Presidente, estamos tão revoltados agora que nem parece que estamos falando da mesma Presidente que teve todas as suas ligações, e-mails e mensagens monitoradas pelo governo americano. E o que fizemos aquela vez? Nada. Ainda não sabíamos discutir sobre política.

Mas voltando aos fatos recentes: não é muito mais revoltante ver uma manobra política gigante da Presidente de colocar o Lula como Ministro pra ele ter foro privilegiado? Não estamos mais cegos, correto? Já entendemos que temos que deixar as paixões de lado, beleza? Então beleza. A atitude da Presidente foi corrupta, aquele jeitinho brasileiro que todos nós estamos acostumados desde que começamos a engatinhar. A atitude do ministro do STF Gilmar Mendes é louvável e mostra novamente um Judiciário fortalecido e que bate de frente com a Presidência. Como uma amiga minha falou, foi-se o tempo que nossa referência do Juduciário era o Lalau.

Acho engraçado o Lula dizer que ele gostaria de entrar no Governo pra poder mudar este país. Ele ficou oito anos no poder, muita coisa melhorou, é claro, mas mesmo assim… Ele teve o tempo dele para mudar e já entendemos que esta não era a questão principal da posse dele, certo!? Ele não pode ser o estagiário da Presidente e trabalhar por ela (fui estagiário do Executivo municipal, já falei isso?). Vi algumas postagens no Facebook dizendo “calma gente, Lula só será Ministro, ele ainda continuará sendo investigado”. Estas pessoas parecem não entender de fato o funcionamento do juduciário no Brasil.

O próprio Lula em 88 falou que “no Brasil, pobre quando rouba vai preso, rico quando rouba ganha um ministério”.


Os protestos no Brasil estão melhorando. Digo, ficando menos piores. Ainda precisam aprender a tirar a camisa da CBF, mas muita coisa já melhorou e falo isso por experiência própria. Quando houveram as manifestações em 2013 eu fui um dos que fui às ruas e balas de borracha e spray de pimenta estavam envolvidos na história. A população não sabia como protestar e a polícia não sabia como controlar os manifestantes de forma pacífica, sem o desespero. Hoje em dia quase não se houve falar em confrontos de manifestantes com a polícia.

Mas Rafa, então por que disseste que elas estão ficando “menos piores”?

Motivo número um: em São Paulo os protestos contra o governo atual contaram com a presença de Aécio Neves e Geraldo Alckmin. No mínimo falta de vergonha na cara. É uma marcha contra a corrupção, contra os políticos com histórico sujo, e mesmo assim temos políticos no meio? Não, isso é feio. Mas eles foram expulsos pelos manifestantes. Alguns viram a parte deles sendo expulsos, outros a parte deles desfilando e sorrindo. Eu vi as duas e formo minha própria opinião. Entende como você deveria fazer? Não deixar que eu te induza, mas aprender a pensar.

Pois bem, motivo número dois em relação aos protestos: quando teve protesto a favor do Governo atual alguns vídeos mostram manifestantes expulsando as pessoas que eram contra o Governo mas que estavam só assistindo. O cara chega a dizer que não iria fazer nada mas mesmo assim ele manda ele sair e começa até a ameaçar de muitas formas que não sou obrigado #nãosoumesmo a reproduzir aqui. O engraçado disso é que estes mesmos manifestantes estavam falando estar a favor da democracia. No entanto não sabiam respeitar e simplesmente deixar a pessoa contra o Governo lá no lugar dela. Se ela estivesse fazendo algo provocativo não era dever dela ameaçar ou tomar alguma atitude senão chamar a polícia, que já estava de prontidão. Isso chegou a acontecer algumas vezes.

Em resumo, os protestos de hoje são uma prova que o povo brasileiro e a polícia estão aprendendo como se portar juntos na rua. Qualquer tipo de protesto é válido se feito de forma pacífica. E eu digo qualquer mesmo. Se eu tiver vontade de ir em frente a um McDonald’s e protestar contra ele elu tenho todo o direito, desde que eu não entre no restaurante e não agrida ninguém. A richa Über versus táxis prova isso. Londres mesmo já teve vários protestos que resultaram em confronto com a polícia, enquanto hoje em dia tem vezes que a polícia nem chega a participar.


Uma outra coisa eu acho engraçada em relação ao PT: o Partido sempre criticou a opisição, a direita (se quiser chamar assim ainda), Lula é sindicalista, ninguém está certo a não ser eles, etc e tal. Até aí tudo bem, é um direito que se tem. Expressar opiniões, ser contrário, e conquistar muita coisas assim. Mas o problema nesta questão é outro: porque é que quando é ao contrário, quando é o PT que é criticado (por ser a situação) aí não pode? Aí é ser coxinha reaça blablabla? Isso pra mim não é democracia e eu não engulo desaforo em relação à política. Debate é uma coisa, desaforo e falta de respeito é outra.

Também gostam de transmitir a ideia do “só um partido que está sendo investigado”. Não é. A gente sabe que não é. A gente também sabe que o PT é um dos maiores partidos do país e claro que pela proporção vai ter muita gente investigada. A choradeira tem que ter fim, incluindo a infantilidade do “ele que começou” ou “olha ele pai!” ou “ele fez o mesmo e você não brigou com ele”.


Eu moro em outro país há mais de dois anos e consegui chegar aqui graças ao meu esforço e força de vontade que me tiraram de uma vila de 200 habitantes, fui pra uma cidade de meio milhão pra trabalhar de estagiário do Executivo do segundo maior município do Rio Grande do Sul e vi muita coisa errada e muitos interesses políticos que aconteciam há anos (e vários mandatos, de vários partidos) e ainda vão continuar acontecendo. Nesta época eu ganhava R$ 450 de salário e pagava R$ 400 de faculdade, porque entendia que meus pais não tinham condições de pagar pra mim. Consegui trabalhar em uma agência de viagens e tive que parar a faculdade por um ano pra conseguir guardar dinheiro pra mudar de país.

Isso tudo é ser coxinha? Não é ter experiência e opinião própria digno de respeito?

Minha mãe é empregada doméstica desde 1998 e só folga no domingo. Se lhe sobra um dia, ela mesmo assim vai em outro lugar pra trabalhar. Gosta do que faz por mais incrível que isso possa soar. A garra dela é a mesmo de 1998. Gigante. Ela nunca votou e não apoiou o PT. É um direito que ela tem em votar em qualquer candidato, certo!? E a opinião dela é: prendam quem roubou. Simples assim.

Isso é ser coxinha?

No discurso da Avenida Paulista neste final de semana, Lula disse que as pessoas se vestem de verde e amarelo pra se achar mais brasileiro, mas são o tipo de brasileiro que vai pra Miami fazer compras, enquanto eles são o tipo de brasileiro que compra na 25 de Março. E isso foi aplaudido por milhares de pessoas. Soa lindo, é um belo discurso. Mas parando pra pensar, ninguém da minha família nunca botou os pés nos Estados Unidos, eu sou o único que mora fora do país (por muito esforço e vontade, como já falei) e o pior: o Lula não compra na 25 de março. O Brasil tá cansado de saber o tanto de posses que ele e o filho tem Brasil afora (não vou nem entrar no mérito do triplex do Guarujá). Mas o pior é saber que as pessoas aplaudem um discurso fajuto, completamente fajuto e pretencioso.

Outra coisa fajuta e pretenciosa que eu vi foram panfletos de pessoas favoráveis ao governo atual convidados as pessoas para atos pró-Dilma ao mesmo tempo que usam discursos de que o que está em jogo são direitos trabalhistas; o fim do Bolsa Família; o SUS. As mesmas pessoas que criticam a mídia por ser sensacionalista usam de um artifício tão sensacionalista quanto pra convocar a população que se beneficia de tais serviços. Estas mesmas pessoas também dizem que a mídia ou pesosas “de direita” estão incitando o ódio. E isto, o que é senão colocar gasolina na fogeuria? A prova deste panfleto está aqui.

Agora, eu não acho que tenha que ter golpe (de estado e nem militar). Até porque nem tem como ter golpe. Nem é o que está sendo pedido. Calma… O que está sendo pedido é um impeachment, e isso não é golpe amiguinhos. Mesmo assim eu digo, não acho que tenha que ter impeachment. Não podemos tirar uma Presidente eleita e colocar um vice enfraquecido ou um Presidente da Câmara investigado. Não precisamos de “soluções” imediatistas que não resolverão porcaria nenhuma e daqui alguns anos teremos outra explosão como esta.

O que precisamos é pensar. Simples assim. Nos matermos calmos e seguir em frente. O velho keep calm and carry on. A primeira decisão é simples: não adianta ofender ninguém. Debate é uma coisa, ofensa é outra. Fazer pensar é melhor do que empurrar goela abaixo. Criticamos tanto a mídia, mas é exatamente isso que a mídia de massa faz com a gente: empurra informação goela abaixo e você não tem como se defender a não ser desligar a TV/computador/rádio. Se criticamos a mídia por isso, então porque a gente não faz o contrário e conversa. Debate. Conversa sobre o que está sendo feito e o que ainda pode ser feito pelo nosso país.

E é exatamente esta minha proposta com este textão. Não concorde e não discorde. Pense. Crie sua própria opinião e expresse-a. É teu direito de cidadão, por mais criticado que você seja.

Brasil, segura firme.

Planeje sua viagem com os parceiros que eu confio e uso:

3 Comments

  • Gislaine Cristina Araujo Ribeiro dos Santos

    Sempre achei que se acalmar e pensar é a melhor maneira de fazermos algo para mudar para melhor o nosso país .
    Não conseguiremos melhoras a ferro e fogo , visto a que situação o nosso Brasil chegou Rafa Maciel , eu acho que o melhor seria tirar todos sem exceção e mudar o quadro politico brasileiro , não importa quem errou ou acertou , porque isso esta uma briga de comadres …perda de tempo e nós precisamos de soluções , e para que não aja -se duvidas o melhor e tirar todos e nada de colocar familiares , tudo novo para um Brasil novo ! Não sei se a minha opinião esta certa , mas ninguém pode negar que muitos estão no comando do nosso Brasil há anos e nada de bom só piorou .DAR TRABALHO , SALÁRIOS JUSTOS , ESTUDO , SAÚDE E SEGURANÇA E PARA TUDO ISSO ACONTECER .F-A-Z-E-R- C-U-M-P-R-I-R -SE -AS-LEIS NO SEUS ÂMBITOS TOTAIS E SER IMPARCIAIS . Não importa se tem cargo no governo , se tem dinheiro ou seja PHD a cadeia tem que ser igual para todos .

  • Marcelo

    Concordo com muito do que vc escreveu e concordo que a mídia possa ser partidária. O proprio texto mesmo querendo aparentar apartidário, ele tem definido um lado.

    1- Destacar somente o que acontece de um lado como se não existisse no outro, é mto triste. Experimente passear de vermelho por SP no dia da manifestação contraria ao governo.

    Sobre panfletos, em qualquer uma das duas manifestaçōes vao existir coisas assim, não acho nenhum pouco bonito tb as placas utilizando os militares como solução para amendrontar aqueles q não sabem mais em quem confiar.

    Assim como falam que rola mortadela, rolou filet mignon na Fiesp.

    2- Falar q é a favor de que todos os corruptos sejam punidos é tão vazio quanto falar que é contra a corrupção, pq é uma coisa óbvia, não é? (Diz que sim! Haha)

    3- Todas as pessoas estão sendo investigadas? Qnd deixarem de arquivar os processos do PSDB e transmitirem isso na Globo, eu vou concordar com você.

    4 – O problema não é demonstrar a insatisfação e pedir o impeachment. O problema é como que isso esta sendo feito. Uma presidente não citada na Lava Jato dando cargo para um vice citado e a camara presidida por um RÉU escolhendo o Paulo Maluf como um dos membros da comissao. Cilada!

    Como você fala no final do texto, eu não apenas concordei com o que você falou, tem mta coisa ainda que me faz ter alguns pés atrás e vou continuar duvidando até provarem de maneira justa e igualitaria.

    Abraço

    • Rafa

      Oi Marcelo!
      Obrigado pelo comentário.
      Tenho definido um lado sim. Eu não me importaria de aparentar apartidário, tanto que disse que nunca votei e nem vou votar no PT. Está explícito. 😉
      1. Com certeza tem dos dois lados e foi o que citei também. É no mínimo triste. E o mais triste é: é PT, tem que apanhar. Tipo… Falei que não votaria, mas é o direito da pessoa, oras! Não sei quanto a filé mignon ou mortadela, discussão meio sem fundamento este ponto na minha opinião. O título do texto diz tudo o que penso sobre este ponto.

      2. É vazio e amplo, com certeza. Mas é melhor do que escolher um lado pra entrar numa guerra civil, não? Porque eu teria que escolher que todos os políticos do PT sejam presos e os do PSDB não? Ou vice-versa? Todos me parece a palavra correta. Qual seria tua sugestão?

      3. Até onde sei todas estão sim. Se não foi divulgado o contrário é porque está rolando aquele probleminha na mídia que falamos lá no começo. Se forem tirar todos que estão sendo investigados não teremos quórum pra nenhuma sessão na Câmara, essa é a triste realidade.

      4. Acho que o problema vai muito além disso. A Presidente não foi citada na Lava-Jato mas o dinheiro desviado teria sido utilizado pra campanha dela. Isto é o que diz um dos processos, ao menos. Concordo com a parte do vice também. Acho que o erro do Paulo Maluf não é nem ele estar na comissão, mas sim estar legislando. Se ele tem uma cadeira ele tem direito de participar das comissões. O problema é a raiz de tudo.

      Valeu pela opinião Marcelo!
      Grande abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *