Guri na greve do metrô londrino

por Rafa
11 fevereiro 2014
Estava eu dando uma "bizolhada" nas notícias da terrinha semana passada e vi que os Correios estavam de greve e também que tinha paralisação no transporte público de Porto Alegre. É isso mesmo, coterrâneos?
Aqui em Londres não estamos livres disso. Terça-feira passada o London Underground (parte do metrô da Transport for London - TfL, empresa estatal que administra o transporte público) entrou em greve também. Desde às 21h30 o metrô não operou em muitos trechos, não parou em muitas estações e algumas nem chegaram a abrir. A medida foi tomada pelos funcionários depois que a empresa que a TfL decidiu fechar alguns escritórios de venda de tickets e demitir muitos funcionários.
Pois bem, motivo dado, ação programada, e agora? E agora que a London Underground, desde a sexta-feira anterior à greve (4 dias antes) começou a emitir comunicados informando sobre a ação. E agora que um dia antes, eles informaram quais linhas estariam funcionando, quais os horários, tudo detalhado. Pra ter uma ideia do quão detalhado é tudo isso que eu tô falando, clica aqui e dá uma olhada no comunicado completo.
Pois na quarta-feira, no meio da greve, eu estava em casa escrevendo pra este blog =] dentre outros serviços online e resolvi levar o meu "home office" pra rua e ir pra um café próximo da estação de Charing Cross. Chequei os status das linhas do metrô antes de sair de casa e lá fui eu, em pleno dia de greve, usar o transporte público. O plano era pegar um ônibus até a estação de North Greenwich, dali ir até Waterloo, trocar pra Northern Line e ir até Charing Cross. No ônibus tudo certo, nada de atraso e nem de lotação. No metrô, aviso por todos os lados, mas já tinha estudado a rota. Cheguei na plataforma e o trem chegou comigo. Sorte, porque estavam vindo trens a cada 5 minutos (sim, "tudo isso" entre um trem e outro).
Chegando em Waterloo, eis meu erro: peguei o trem pra Charing Cross, tudo bonito, mas a estação estava fechada. Ele acabou parando duas estações depois, em Tottenham Court Road. O que também me ajudou, já que também tinha um café quase ao lado, em plena Oxford Street. Pra voltar pra casa também, tudo certo, tirando que o trecho de ônibus demorou mais ou menos o dobro do normal, simsplesmente devido ao trânsito do horário (que aquele dia estava ainda pior). A London Buses, por sua vez, colocou mais ônibus operar, além de funcionários nas estações pra organizar, devido ao grande fluxo desta alternativa.
A London Underground também convocou voluntários para ajudarem no dia da greve a manter "tudo funcionando" à medida do possível. A greve foi da noite de terça até a noite de quinta. E ela não acabou porque chegaram a uma negociação. Não. Ela acabou porque o início e o fim foram programados, com data e hora. E semana que vem vai ter de novo, seguindo a mesma coisa: data e hora pra começar e terminar.
Em resumo: mesmo com greve, a cidade andou. Claro que no horário de pico os trens estavam super lotados e que realmente os 5 minutos entre um e outro já eram demais. Estações também lotaram, vi muita gente desinformada, que não sabiam que algumas estações estavam fechadas e tudo mais. Mas a cidade não parou por causa disso. Dá a entender que a ideia da greve dos funcionários nem era essa, de parar a cidade, mas sim de causar um pouco de transtorno e chamar a atenção pra causa principal deles (a demissão dos tantos funcionários).
Das pessoas que eu conheço, uma delas me comentou que havia pego outra greve em 2009 (exato, há 5 anos atrás!). O que concluimos? Que atitudes assim são tomadas pelos funcionários somente quando se faz estritamente necessário, justamente porque há a valorização do funcionalismo e porque eles trabalham de forma que os faz serem valorizados. Prova disso é a qualidade inquestionável do transporte público londrino.
Estatizar ou privatizar?
Aí entramos na questão: estatizar ou privatizar? Não tenho embasamento estatístico pra dizer quantas cidades do Brasil administram o próprio transporte público, mas posso falar do que conheço: em Caxias do Sul, onde morei por 6 anos, só tem uma empresa que administra o transporte, sem nenhuma concorrência. A tarifa está hoje (11/02) nos R$ 2,75. Os ônibus são bons, mas para por aí mesmo. Linhas mal estudadas e distribuídas, dando a entender que a qualidade fica mesmo em segundo plano, depois de fazer o lucro necessário e economizando em frota, combustível e funcionários. Já por aqui a realidade é outra: os ônibus são ótimos (a maioria é de dois andares, pra começar), o sistema de tickets é eficiente, a frota é enorme, a frequência melhor ainda (da minha casa é a cada 8 minutos em horários de pico, 12 em horário normal, e 30 de madrugada), e as linhas muito muito muito bem estudadas.
Além disso, a Transport for London ofereceu aos usuários outras alternativas de transporte, como bicicleta, ônibus, trem, rail, DLR e até o Tâmisa.
Baseado na experiência do transporte londrino não tenho medo em afirmar: desde que haja uma política pública eficiente e que ela também seja aplicada ao transporte público, vale a pena sim, estatizar. Mas vai desde o princípio. Se nem todos os serviços básicos funcionam, como o transporte vai funcionar também? O caminho mais curto é mais rápido, mas nem sempre o mais eficiente. Vamos privatizar e pronto, assinado, Brasil.
Bah 1: Me contem: como tá a greve no Brasil? Como está o transporte público? Acha que é melhor estatizar ou privatizar?
Bah 2: A greve ia ter mais uma etapa começando hoje, mas foi cancelada.
0 0 votes
Nota do post
Subscribe
Notify of
guest
2 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Cleonice Gomes
Cleonice Gomes
1 year ago

Boa noite. Já que vc mora aqui em Londres, gostaria de tirar uma dúvida. Cheguei dia 22/12 comprei o cartão de transporte para visitor e paguei £45.00 para usar por uma semana. Vou embora dia 28 e hj dia de natal não teve nenhum transporte público funcionando. Sei lá até quando vai está greve. Amanhã é boxing day. A quem posso reclamar por ter pago um cartão caro e não poder circular pela cidade por causa da greve? Quero ver se consigo parte do ressarcimento

Você também vai gostar de ler:

Por Rafa
13 fevereiro 2022
Turismo em Londres

TÁ LIBERADO!

Depende. Depende do aeroporto, da localização do hotel
Continuar lendo
Por Rafa
5 novembro 2023
Turismo em Londres

Como comprar ingressos pra jogos de futebol em Londres

Depende. Depende do aeroporto, da localização do hotel
Continuar lendo
Por Rafa
9 abril 2023
Turismo em Londres

Guri em Istambul

Depende. Depende do aeroporto, da localização do hotel
Continuar lendo
Por Rafa
18 dezembro 2022
Turismo em Londres

Como chegar do aeroporto pro hotel em Londres

Depende. Depende do aeroporto, da localização do hotel
Continuar lendo
Por Rafa
4 dezembro 2022
Turismo em Londres

Erros comuns que o turista comete em Londres

Depende. Depende do aeroporto, da localização do hotel
Continuar lendo

Fique por dentro das novidades

    2
    0
    Tem algo pra adicionar ou perguntar? Escreva nos comentáriosx
    ()
    x