Afinal, mandaram matar a Diana? Se sim, quem? E por quê? Neste post te conto um pouco mais o que aconteceu nas primeiras horas do dia 31/08/1997, como a família real lidou com isso e todas as “evidências” que conspiracionistas acharam contra a família real.

A morte da Princesa Diana

No dia 30 de agosto de 1997 Diana e Dodi Fayed estão voltando de uma viagem e param em Paris antes de voltar pra Londres. Eles vão para um apartamento do pai de Dodi, Mohamed Al-Fayed, dono do hotel Ritz (de Paris) na Rue Arsène Houssaye. A ideia é jantar no Ritz e depois ir para o apartamento mas mudam de ideia.

Henri Paul, o chefe de segurança do hotel, saiu com um carro antes pra despistar os paparazzi que estavam no hotel. Logo depois disso Henri Paul pega Diana e Dodi na rua alternativa, a Rue de Cambon, às 0h20, pra levar eles ao apartamento.

30 fotógrafos perseguem o carro onde nenhum dos passageiros estava usando cinto de segurança. Quando eles chegam na Pont De l’Alma, onde o limite de velocidade é 50 km/h, o carro estava a 105 km/h. O carro perdeu o controle e bateu numa coluna às 0h23. Enquanto alguns fotógrafos correram pra ajudar, outros vários aproveitaram a oportunidade pra registrar o momento histórico.

A polícia chegou sete minutos depois, mas apenas 37 minutos depois é que Diana é retirada do carro. E só às 02h06 é que ela chega no hospital, 1h43 depois do acidente.

Os paparazzi foram os primeiros a serem culpados, mas ninguém sabia que o motorista, Henri Paul, estava embriagado. Ele tinha 1.75g de álcool por litro de sangue (2.2x acima do limite do Reino Unido e 3.5x o limite permitido na França).

Teorias da conspiração

Logo depois disso começaram a surgir várias teorias que a família real teria culpa no acidente. Que a família real mandou matar a Diana, e cada teoria levantando diferentes motivos que levariam a família a fazer isso.

Aqui estão alguns dos principais pontos das teorias da conspiração da morte da Diana:

Alguém do MI6 alterou o sangue do motorista

Pela teoria, pra incriminar o motorista, o MI6 teria alterado o sangue pra algum com volume de álcool maior. O fato é que o exame também foi feito com o fluído do olho dele, com o mesmo resultado. Um teste de DNA também foi feito pra saber se o sangue realmente era dele.

Algumas pessoas questionam por que Henri Paul não aparentava estar embriagado. O motivo é o fato de ele estar acostumado a beber desta forma.

Um cara chamado Robert Tomlinson chegou a alegar que o MI6 estaria envolvido sim. O motivo? A próxima teoria

Uso de luz contra o motorista

Robert Tomlinson foi demitido do MI5 em 1995 por questão de segurança nacional. Talvez o fato de ele divulgar alguns casos internos quando a Diana morreu prova que foi uma decisão certa a se fazer. E talvez também ele tenha falado contra o Serviço de Segurança Britânico justamente por ressentimento.

Ele possuía um rascunho de um livro, escrito em 1996, falando de um acidente num túnel com uso de luzes pra cegar o motorista e fazer ele perder o controle do carro. Ele acabou sendo preso em 1997 por quebra da Lei de Segredos Oficiais. O mais bombástico foi ele ter falado que o MI6 tinha um plano de matar o presidente da Sérvia num acidente de carro.

Ele também se dispôs a ajudar Mohamed Al-Fayed a provar que o MI6 tem culpa no cartório sim.

Diana estava grávida de Dodi

Segundo Mohamed Al-Fayed eles anunciariam o noivado dia 1 de setembro, mas provas disso nunca foram encontradas. Dodi chegou a visitar uma joalheria em Paris, mas as investigações concluíram que ele não comprou nada.

Lady Annabel Goldsmith falou que quando ela conversou com a Diana uma semana antes, Diana teria dito a ela que “precisava de um casamento tanto quando precisava de uma ferida na cara”.

Hasnat Khan, o médico de família paquistanesa que Diana também teve um relacionamento, disse que não sentiu nenhuma hostilidade da família real no curto relacionamento deles, e disse que Charles estava bem e feliz caso o relacionamento deles viesse a seguir em frente.

Mohamed Al-Fayed também falou que Dodi e Diana visitaram uma Villa onde ele possui um apartamento em Paris para “visitar o quarto do bebê”. O porteiro disse que eles ficaram duas horas no apartamento, mas algum tempo mais tarde ele se desmentiu dizendo que na verdade não tinha sido nem meia hora.

E o grande questionamento disso é que (1) se ela realmente estava grávida por que ela não teria falado nada pros amigos; e (2) a família real não teria por que encrencar que ela estava grávida dele. Um filho deles não teria nenhum direito na coroa por Diana já estar divorciada do Príncipe de Gales.

As câmeras de segurança não gravaram parte do percurso

Pelo que se sabe haviam 14 câmeras no túnel mas elas não gravaram o acidente. Pelo que foi reportado, elas não gravavam mesmo depois de uma hora específica da noite (lembrando que o acidente foi às 0h23).

Fiat Undo entrou em contato com a Mercedes que Diana estava

O Uno que entrou em contato com a Mercedes não prestou socorro, pelo que as câmeras externas da ponte mostram. Segundo Mohamed Al-Fayed, ele seria de um fotojornalista chamado Jean-Paul James Andanson. Andanson se suicidou em maio de 2000, pelo que Mohamed Al-Fayed disse ter sido culpa.

A polícia francesa encontrou o Uno dele e disse que não estava rodando já havia anos. Eles buscaram e descartaram quatro mil Fiat Uno como parte da investigação.

Jean-Paul provou que estava em casa na noite do acidente, há 250km de Paris.

Diana demorou muito pra chegar no hospital

Os serviços de emergência foram chamados às 0h26 e ela chega no hospital às 02h06. A ambulância chega às 0h30, com dois médicos chegando às 0h32 e 0h40. Devido ao estado do carro Diana foi removida das ferragens apenas às 01h e só depois de 18 minutos é que ela foi colocada na ambulância, por Diana ter tido uma parada cardíaca.

Às 01h41 a ambulância saiu em direção ao hospital. No caminho tiveram que parar uma vez para lidar com a pressão sanguínea baixa, mesmo motivo pelo qual a velocidade baixa foi mantida também. Tinham a opção de parar em um hospital mais no caminho, mas alega-se que ele não era equipado o bastante pra lidar com as fraturas que Diana tinha.

A ambulância com a Princesa de Gales chega no Hospital Pitié-Salpêtrière às 02h06.

Investigações

A chamada Operação Paget investigou 175 diferentes teorias, a imensa maioria delas conspiratórias. A operação teve um custo de £ 12.5 milhões, envolveu 14 policiais e rendeu um relatório de 832 páginas.

A conclusão foi que a causa da morte foi negligência do motorista Henri Paul por ter bebido, usado substâncias e nenhum dos passageiros estarem usando cinto de segurança – o que é responsabilidade do motorista.

Ainda vai tempo…

Isso ainda vai ser um assunto que muita gente vai levar como algo conspiratório. Eu não acho que teve a mão da família real, porque tiveram muitas mudanças de plano durante a viagem de Diana e Dodi. Pra se fazer algo desta magnitude precisaria-se de meses de planejamento, não horas. O serviço de inteligência britânico pode ser foda, mas calma, não é tão perfeito assim.

Mas isso é normal né? Quando se perde alguém tem-se a fase do negacionismo. É difícil aceitar que alguém morreu, ainda mais de uma forma assim trágica, sem nenhuma antecipação, sem estar doente ou sofrendo há anos. É difícil e dolorido aceitar.

O que nos resta é lembrar, e isso quero fazer sempre por aqui. Eu falo do acidente inclusive no meu tour da realeza britânica em Londres.

Planeja tua viagem com os parceiros que eu mesmo uso:

#

Aeee tu é o primeiro! Deixa um comentário?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Newsletter do Guri

* indicates required
Booking.com