torre do relogio do big ben a noite

O nosso jeitinho brasileiro em geral é característico. Começando pelos políticos (e principalmente com eles) até as crianças da nação. Porém quando o assunto é Londres, a história muda um pouco. Claro que devem existir pessoas que não honrem as minhas próximas palavras mas pra grande maioria esse não é o fato.



Não estou aqui (e quem sou eu) pra falar do jeitinho brasileiro, mas sim sobre o jeitinho londrino. Me questiono se algumas coisas que funcionam aqui funcionariam tão bem no Brasil. Quem já foi no YO! Sushi, por exemplo, já deve ter se perguntado a mesma coisa. Neste restaurante os pratos passam numa esteira na tua frente e tu escolhe o que quer comer. Na hora da saída o garçom verifica quantos pratos tu comeu e cobra baseado naquilo.

Os famosos ônibus double-decker não tem catraca (ou roleta, como quiseres). Só o que tem é o pad pra aproximar teu cartão. Ele emite um bip e tu sobe belo e feliz pro andar de cima do ônibus, claro. =) Se quiseres comprar um ticket pra um trecho tem que ser numa estação de metrô. Mas e se quiser entrar sem o ticket? O motorista não deixa, claro. E não sai se tiver alguém ali sem pagar. Já vi isso acontecer, mas é raro – mais raro ainda alguém realmente entrar pela porta da saída ou algo assim.

Muitos supermercados de rede possuem caixa self-service ou self check-out, como é chamado. É como se fosse um caixa eletrônico de banco, no entanto este é um caixa de supermercado. Tu mesmo passa tuas compras, embala-as e insere o dinheiro ou o cartão de crédito na máquina que faz a cobrança e te dá troco. O jeitinho brasileiro instigaria a deixar de passar alguma coisa, ou na hora de selecionar a fruta ou verdura (sem código de barras) selecionar a mais barata. Como disse, nem todo mundo aqui é honesto, mas na sua maioria com certeza.

Os caixas eletrônicos são 24 horas e estão nas ruas. Quando escrevo “nas ruas” quero dizer que está na rua mesmo, na calçada, sem proteção, sem porta giratória ou o que quer que seja. Na rua, na chuva, na fazenda. Tu tens noção o que é sacar dinheiro às 1h praticamente no meio da rua?

As faixas de segurança são respeitadas. A Abbey Road é um bom exemplo: tem as linhas em zigue-zague que antecedem a faixa. Isso indica que o motorista é obrigado a dar preferência ao pedestre. No Brasil eles também são obrigados, mas respeitar já é outra história. “Ah Rafa, mas na minha cidade respeitam”. OK, tua cidade não é o Brasil todo. “Ah Rafa mas quando eu tava na faixa não respeitaram”. Um caso em uns quantos, a maioria respeita.



É claro que eu nem preciso comentar da segurança das casas, sem grades, sem prisões, respeitando a nossa verdadeira liberdade e encarcerando a de quem não a merece. Essa é a regra: quem fica atrás da grade é ladrão, então as casas tem murinhos bem baixos e jardins bem cuidados, sem plano B.

Que tem pessoas que não são de bom caráter, certamente tem. Tem em qualquer lugar, em outros mais, em outros menos. Generalizei em todos os fatos acima, porém sabendo do que estou falando. Não tem como generalizar da mesma maneira no Brasil, onde a situação é exatamente o inverso. Foram tantos “por quês” escrevendo este texto mas a resposta é uma só: porque estamos em Londres. O jeitinho londrino é respeitoso, organizado, seguro e honesto. Sendo repetitivo: nem todos os lugares são assim, claro, mas este é o padrão pra cidade, o que não surpreende.

Mas a grande questão ainda fica (apesar de eu ter dito que não queria falar no jeitinho brasileiro): por que aqui as coisas funcionam e se tentarmos aplicar no nosso Brasil sabemos que não vai dar certo? Será que é porque a polícia é mais justa? Será que a justiça é mais ágil? O desenvolvimento e progresso do país só começa quando as mesmas questões acima imperarem, isso é o que Londres nos ensina. No entanto, enquanto ainda priorizarmos o jeitinho brasileiro estaremos empurrando o progresso com a barriga. Não adianta culpar a polícia ou os políticos se a mudança de atitudes não começar com  agente mesmo. Cada país tem o seu DNA e pronto. Mas enfim, eu prometi que não ia falar do jeitinho brasileiro, então encerro por aqui e deixo essa parte livre nos comentários.

Não deixe de opinar ali embaixo: o que você mais aprecia em Londres e que não rola no Brasil? Ou então por que você acha que essas coisas não funcionariam no Brasil? Ou aproveite pra defender o Brasil, o espaço é teu! =)



Planeje sua viagem com os parceiros que eu confio e uso:

4 comentários

  1. O que eu amoamoamoamoamo em Londres é que as mulheres usam um micro-mini-vestido e NENHUM homem olha pra elas como se elas fossem um pedaço de carne. Confesso que eu fiquei encarando mais do que qualquer pessoa. Não porque eu estivesse julgando a moça (a não ser, claro, porque tava um frio da porra, eu toda encasacada e a mina de micro-mini-vestido. Puta mundo injusto!), mas por ter sido a única dentro do vagão do metrô que sequer olhou pra ela. Se nêga tivesse num metrô brasileiro, sairia grávida, né? Achei a 8ª maravilha do mundo.

  2. Pegue a Austrália, o Canadá, a Nova Zelândia, os EUA… por quem eles foram colonizados e como eles estão hoje? Pega o Brasil, os países de língua portuguesa, os países hispânicos por quem eles foram colonizados e como eles estão ou são hoje?…

    • Vai na Guiana e vê o inferno que é lá. Vai no Suriname, idem. Vai na Guiana Francesa, mesma coisa. Não tem nada a ver quem colonizou, mas qual foi o tipo de colonização. A América Latina foi colonizada para exploração. Seja por ingleses, portugueses, espanhóis, holandeses etc. Pense antes de falar bobagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Excelência TripAdvisor
Pesquise seu hotel
Booking.com
Novidades por e-mail
* indicates required
MEUS PARCEIROS