Guri da Realeza

The Crown: o que é verdade e o que é ficção nas temporadas 1 e 2

The Crown está nos nossos corações. Tem tudo. Romance, drama, comédia, rainha, brigas, uma irmã meio porra loca e muita ficção. Pode soar como surpresa (ou não) mas muito do que está na série não foi como de fato aconteceu. Minha ideia neste post é te contar algumas das coisas que são verdade e que não são tão verdade assim na primeira e na segunda temporada. Se curtir este conteúdo me avisa que eu faço da terceira temporada, que tal?

Para saber mais sobre o meu tour da realeza clique aqui.

Pois bem… Afinal, o que é verdade e o que não é em The Crown?

Sobrenome do Príncipe Philip

Philip de fato queria que Príncipe Charles tivesse o seu sobrenome e também é verdade que ele chegou a falar pra alguns amigos “eu sou o único pai do país que não deu o sobrenome pro filho”. Isso aconteceu porque se ele levasse o sobrenome Mountbatten a dinastia mudaria de nome quando Charles virar rei. Meio que pra contentar ele conseguiram mudar o sobrenome pra Mountbatten-Windsor. Não muda a dinastia e ainda assim tem o sobrenome do Philip. Feliz?

Apelidos

É verdade que o tio da rainha, o Duke de Windsor (ex-rei Edward VIII), realmente tinha apelidos pra diferentes membros da família. Ela era Shirley Temple (atriz americana) por causa do cabelo cacheado; a rainha mãe era Cookie, por parecer uma cozinheira; e até o Churchill era Cry Baby, o bebê chorão. Algumas cartas lidas na série são fiéis em cada palavra do que de fato foi escrito.

George VI fez a cirurgia de remoção do pulmão no Palácio de Buckingham

Outro grande fato. Ao invés de fazer a cirurgia num hospital, foi feito no palácio… Pra gravar a cena, ao invés de ter atores o diretor achou melhor contratar um time de cirurgiões de um hospital pra que fosse o mais realista possível.

Príncipe Charles odiava e se deu muito mal na Gordonstoun

A Gordonstoun era a escola que Charles frequentou na Escócia. A série mostra muito bem os dias de Charles na escola, começando um dia com uma corrida com pouca roupa no frio; camas duras; e janela sempre aberta. Com a chegada do príncipe claro que as regras ficaram bem mais rigorosas, então os colegas descontavam nele as restrições e frustrações.

Princesa Margaret não podia casar com Peter Townsend

Bem… É fato que ela poderia, porém teria que abrir mão do título e do salário, justamente pelos motivos que são mostrados na série. Ela abriu mão do casamento e anunciou não casar com Peter, vindo a se casar mais tarde com o fotógrafo que também aparece em The Crown e mais tarde recebe o título Lord Snowdon. No anúncio ela fala que colocou os ensinamentos da igreja e o papel dela na realeza à frente de tudo. O que não se sabe ao certo é como isso tudo afetou o relacionamento da rainha com a irmã. A série mostra uma coisa, mas não se tem evidências daquilo. O que sabe-se é que as duas sempre foram muito próximas.

Princesa Margaret e Peter Townsend. Foto: Popperfoto/Getty Images

Aulas de voo de Philip

Ele aprendeu mesmo a pilotar, porém a ficção é que quem ensinou ele não foi o Peter Towsend, a grande paixão da Princesa Margaret. Ele aprendeu de fato com o tenente Caryl Ramsay Gordon. Na série também mostra que Churchill se preocupava com isso, com o fato de Philip estar voando, sendo que a irmã dele morreu num acidente de avião. Porém não se tem evidência desta preocupação e pode ser que ele não desse a mínima. Philip parou de voar em 1997 com 5986 horas.

A rainha ficava com ciúmes de Philip

Não se tem evidência nenhuma disso. Talvez a série tenha mostrado isso pra deixar bem evidente o quanto ele flertava, ou ao menos parecia que estava sempre atirando umas pedras. Isso porque ele dançava bem, conversava e era um cara bonito. Porém a rainha nunca se importou. Até pra compensar muita coisa que foi tirada dele. Uma das coisas é justamente o direito de andar ao lado dela. Observe como ele sempre tem que andar um ou dois passos atrás dela.

Churchill, por Graham Sunderland. Fair use.

Churchill queimou o quadro dele feito por Sutherland

Também não se tem nenhuma evidência disso. Se sabe que ele não gostou do tal quadro porque quando aceitou o quadro já falou que “era um exemplo de arte moderna”. Foi levado pra casa de campo dele e nunca mais visto. Pelo que se sabe, a esposa dele pediu pra secretária dela pra dar um jeito no quadro. Ela teria pedido ajuda pro irmão dela e ambos queimaram o quadro na casa deles, só avisando a esposa do Churchill no dia seguinte.

Affair(?)

Na série aparece também uma bailarina, Galina Ulanova. Não se tem evidência que os dois tiveram um affair, ou que ele teve um affair com nenhuma outra pessoa. É muito questionado que ele teve sim, mas não com a bailarina. Foi uma loucura na época que ela se apresentou em Londres, mas os dois nunca foram nem vistos juntos.

A pessoa associada com ele neste caso de traição foi uma atriz chamada Pat Kirkwood. Ele teria convidado ela pra jantar uma vez e depois disso surgiram os rumores. Ela ficou de cara com as alegações e sempre negou.

Pat Kirkood.

E aí, curtiu? Que tal um assim sobre a terceira temporada?

Planeje sua viagem com os parceiros que eu confio e uso:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *