Guri da História,  Turismo em Londres

100 anos da conquista ao voto feminino

Este anos completam 100 anos que as mulheres conquistaram o direito ao voto na Grã-Bretanha (algumas delas, ao menos… A conquista plena só veio mais tarde). E a Helô Righetto, do Conexão Feminista, me levou pra uns lugares sobre o assunto em Londres!

No dia 6 de fevereiro de 1918 foi o grande marco quando este momento aconteceu.

1. Placa azul da casa de Emmeline Pankhurst e Dame Christabel Pankhurst

50 Clarendon Road, W11 3AD

Elas foram duas grandes líderes do movimento sufragista, de conquista ao voto feminino na época. Elas foram pessoas chave de como o movimento aconteceu, pela forma diferente de abordagem.

2. Suffragette Memorial

Christchurch Gardens, SW1H 0AX

Haviam vários grupos e forças para tentar a conquista ao voto às mulheres. A conquista foi parcial em 1918, afinal a mulher teria que ter mais de 30 anos e com terras (ou ser casada com alguém com terras). Apenas em 1928 é que os direitos foram iguais para homens e mulheres acima de 21 anos.

Sufragistas é o nome que se dá ao movimento geral. Já suffragette é a palavra associada ao movimento da Emmeline Pankhurst, que tinha uma abordagem muito mais intensa, com as mulheres atirando pedra em vidro, se algemando no Parlamento, etc. Os tablóides da época acabaram dando este nome de “suffragette” para desmerecer este braço do movimento, como se o “ette” do final da palavra fosse o “inho”. Algo como “feministinha”, justamente pra desmerecer mesmo.

3. Estátua de Emmeline Pankhurst

Victoria Tower Gardens, SW1P 3JA

Emmeline era uma figura muito articulada, que sabia falar muito bem em público. A estátua foi instalada ao lado do Parlamento (um local de tanta expressão – e a recém foi colocada a primeira estátua de uma mulher na Parliament Square), em 1930, só dois anos depois da morte dela, o que comprova o quão importante ela foi.

Ela também dava um pequeno badge pras mulheres do braço do movimento liderado por ela (WSPU) que iam presas, como uma forma de honraria por a mulher ter passado por aquilo pela causa.

Leia mais:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *