GURI IN LONDON

A história do Guri em Londres

Não quero me aparecer ou nada parecido. Bem pelo contrário, até porque tenho horror a isso. O que quero com este post/vídeo é inspirar pessoas e mostrar que é possível realizar algo quando se coloca a mão na massa pra valer! Quero poder inspirar muita gente a colocar a tirar qualquer projeto que seja do papel (incluindo, claro, mudar de país).

Além disso muita gente me pergunta como eu vim pra Londres, como vivo legalmente aqui, e qual minha história/trajetória na cidade então resolvi fazer este vídeo pra esclarecer várias dúvidas de uma vez.

Agora vamos esmiuçar esta história:

Era março de 2012 e eu resolvi que iria fazer um curso de rádio e por isso não cursei aquele semestre da faculdade. Pra guardar dinheiro pro dito curso. Ele acabou não formando a turma e fiquei com o dinheiro guardado.

No início de agosto de 2012 meu gerente na FOX, a agência que eu trabalhava, me ofereceu uma viagem à África do Sul que a agência havia ganhado. O custo era na verdade reduzido pra R$ 2 mil. Como eu já tinha aquela grana guardada pensei que seria uma ótima oportunidade pra gastar ela. Chegando em casa eu me dei conta que na verdade eu poderia usar aquele dinheiro e vir pra Londres (na época a passeio ainda hehe). Agentes de viagens tem valores mais baratos com companhias aéreas e o dólar estava baixo na época. O que fiz então foi cancelar a viagem da África e confirmar o voo de ida a Londres e de volta de Paris.

Como eu tinha uma amiga que morava em Londres conversei com ela pra ficar na casa dela pagando bem menos que um hotel, e depois ela ainda foi comigo a Paris também.

Em novembro de 2012 cheguei em Londres e me apaixonei de vez pela cidade. Minha amiga então me convidou pra voltar pra morar, porque elas iriam mudar de casa na metade do ano seguinte. Neguei dizendo que tinha tudo rolando no Brasil, e realmente não me imaginava largando tudo pra mudar de país.

Retornando ao Brasil bateu a tal depressão pós-Londres e em meados de março concluí que realmente gostaria de me mudar. Dei o OK pra ela e comecei o planejamento que envolveu basicamente 1) não cursar faculdade de novo, pra poder economizar dinheiro (na época a Libra estava R$ 3,60) e 2) melhorar meu inglês, porque já tinha sofrido o bastante com o sotaque britânico na minha primeira visita a Londres.

Em agosto de 2013 criei este blog pra poder dividir minhas experiências e futuramente, quem sabe, oferecer serviços e passeios pra brasileiros. Pensando nesta segunda parte, comprei um guia de turismo da Folha de São Paulo e comecei a estudar tudo sobre a história de Londres e as atrações turísticas. Visitava os sites e os locais pelo Google Streetview pra ajudar nos meus estudos de localização. E vou dizer que isso ajudou e muito como base pro que faço hoje.

Em setembro comprei minha passagem (em outubro que contei pro meu pai, mas enfim…) e tudo já estava mais que definido. Dia 31 de dezembro saí da outra agência que estava trabalhando, a Flytour Caxias do Sul, pra no dia 14 de janeiro de 2014 poder chegar à terra da Rainha com uma cidadania europeia pra me deixar entrar sem problemas; uma amiga que me recebeu de portas abertas (na real vim com ela do Brasil) e muita vontade de fazer tudo acontecer.

Chegando aqui, coloquei no ar neste blog uma página oferecendo os mais variados tipos de serviços pra brasileiros que estivessem vindo a Londres e mandei e-mail pra várias agências de viagem. Passaram-se 15 dias e quem me contatou não foi nenhum possível cliente, mas sim a Eneida, do blog Londres para Principiantes. Ela disse que viu esta página de serviço e estava com ideia de fazer um passeio por pubs históricos em Londres, perguntando se eu teria interesse em fazer uma parceria.

Na hora gostei da ideia, comecei a estudar de todas as formas pro nosso passeio. Neste meio tempo, em fevereiro, comecei a trabalhar como runner (auxiliar do garçom, basicamente) em um restaurante aqui de Londres chamado Las Iguanas. Passaram-se os meses e em abril de 2014 lançamos o primeiro pub crawl histórico. Dividia meu tempo entre as duas atividades sendo cinco dias por semana (às vezes seis) no restaurante, um dia fazendo o passeio e um dia de folga.

O tempo foi passando, mudei de posição e virei bartender neste restaurante (algo que iria me deixar mais contente) e percebemos que tinha dado certo o passeio. Resolvemos então criar um novo tour e comecei a desenhar um tour sobre a história dos Beatles em Londres. Em outubro lancei este passeio e reduzi os dias de trabalho no restaurante, sendo minha agenda:
Segunda-feira: das 8h às 20h no restaurante
Terça-feira: pub crawl
Quarta-feira: das 8h às 20h no restaurante
Quinta-feira: Beatles tour
Sexta-feira, sábado e domingo: folga

Mais detalhes: no restaurante eu tinha que chegar às 8h pra poder receber todas as bebidas (que não eram poucas, haja vista que a unidade em que eu trabalhava é a mais movimentada da rede), conferir tudo e colocar na dispensa (terminava isso por volta de 10h30). Depois tinha que abrir o bar preparando as frutas que seriam usadas, descartando itens passados da validade, carregando a máquina de café, trocando os barris de cerveja, ou seja, deixando um bar com cara de bar. Às 12h o restaurante e o bar abriam, às 15h fazia uma hora de almoço e às 20h estava liberado. A não ser no meu último dia de trabalho que fiquei lá até às 22h.

No final de semana eu tinha folga, como descrevi acima, mas não ficava de pernas pro ar como deve ter soado. Bem pelo contrário. Quando estava criando o tour dos Beatles percebi que havia material suficiente pra um tour relacionado à música, em especial ao rock britânico. Já quando lancei o Beatles comecei a estudar pra este terceiro passeio. O roteiro ficou ótimo e pensei em sair do restaurante. Fiz muitos e muitos cálculos pra ver se poderia assumir este risco e sim, resolvi encarar.

No dia 14 de janeiro de 2015, exatamente um ano depois de ter colocados meus pés na cidade pela primeira vez, fiz meu último dia de trabalho no restaurante, e no dia seguinte acordei um profissional autônomo. Eu comecei a fazer os passeios então segunda (Beatles), terça (pubs) e quinta (música).

Note aqui, caro leitor, que eu não precisaria ter saído do restaurante. Eu poderia ainda trabalhar lá nos finais de semana, ou ainda só dois dias por semana, como já era o caso. Mas não. Não me mudei pra Londres pra “fazer dinheiro” como é o caso de muita gente. Vim pra cá pra viver e aproveitar o que a cidade tem pra oferecer. Vim pra cá pra amar a cidade e fazer o que amo, e não pra viver a vida que os outros querem que eu viva ou fazer o que esperam que eu faça.

Eu optei por ainda assim sair do restaurante pra poder ter tempo livre pra me dedicar às minhas paixões: música e comunicação. A música voltou a fazer parte da minha rotina quando entrei pra uma banda, que chegamos a fazer alguns shows por aqui e até a gravar duas músicas (esta e esta). Ela deixou de fazer parte da minha rotina quando o Chá dos 3 entrou na história. O podcast consome um bom tempo de pré e pós produção, então achei melhor abrir mão de algo, pelo menos por enquanto.

A comunicação, claro, também envolve o YouTube. Eu sempre gostei muito de fazer vídeos e é algo que faço há mais de seis anos… Um dia ainda vou ter coragem de mostrar estes vídeos antigos (quando chegar nos 10 mil inscritos, talvez?). Então em no final de março que comecei a fazer vídeos pro meu canal atual, e desde então não falhei uma semana sem postar algo novo. Estou inclusive muito feliz com o feedback positivo que estou tendo.

Volto a dizer: não estou dividindo minha história pra dizer “sou foda, olha o que eu fiz e tu não”. Pelo amor de Deus, não pense nisso. Eu até pensei várias vezes antes de fazer este vídeo e post justamente porque não quero passar esta imagem porque tenho horror a isso, sério. O que quero é esclarecer as dúvidas de muita gente e também inspirar muitos outros a fazerem o mesmo. Não a começar um blog e blablabla, mas sim a correr atrás dos objetivos porque é possível realizar! Se este objetivo for começar um blog e blablabla ou se mudar pra Londres, eu estou aqui pra provar que é possível.

Eu sempre digo também que me adaptei muito fácil, mas acredito que vários fatores influenciaram nisso. Eu tinha uma pessoa aqui, fiz várias novas amizades, sempre mantive a cabeça ocupada e claro, sou apaixonado pelo país. Parece besteira, mas gostar de pubs, da história do país e até do frio (que tanto amo) influenciam e muito. Muita gente vem pra cá e não se adapta tão fácil mesmo estando aqui há anos. É coisa que varia de pessoa pra pessoa dependendo da personalidade de cada um. Não tenha Londres como o paraíso. Pra mim é a melhor cidade do mundo, mas pra muita gente, acredite, é a pior. Cada um tem sua história. Cada um tem sua personalidade – inclusive as cidades.

Claro que não recomendo a ninguém vir pra cá ilegalmente, ter uma cidadania europeia não só ajuda como é essencial como no meu caso, mas tenho certeza que com fé e determinação consegue-se alcançar qualquer objetivo. Se ele for verdadeiro, se tiver muito amor envolvido, o teu foco e tua energia positiva vão naturalmente se voltar pra aquilo e, pode acreditar, tudo vai dar certo.

Sou muito feliz com tudo o que está acontecendo comigo até hoje e grato pelas pessoas que Deus colocou em meu caminho. Sem elas esta trajetória teria um rumo completamente diferente, se é que existiria.

Cada vez mais pretendo fazer um trabalho completamente voltado pro BEM e pro lado positivo. Seja com o blog, com o canal ou o que for. Tenho certeza que isto retorna também de forma positiva sempre. Se não voltar, pelo menos posso dormir tranquilo todas as noites. 🙂

Em breve vou fazer um post falando sobre documentação, então fique de olho no blog pra não perder quando sair. O melhor jeito é assinando a newsletter ali do lado direito, tá?

Como falei acima, cada um tem sua história. Esta é a minha. E tu, qual tua história? =]

15 comentários sobre “A história do Guri em Londres

  1. Thaís

    Oi Rafa, tudo bom? Sou do interior também, de Ijuí! Sonho em morar em Londres faz muitos anos, mas ainda não tive a chance (Ou a coragem!). Quando achei teu blog aquela vontade gigante voltou também! Tô adorando ler tudo! Obrigada!

    1. Rafa Autor da Postagem

      Oi Thaís, tudo certo!?
      Que demais, seja bem-vinda ao blog. Obrigado pela visita e pelo comentário. É um prazer poder levar Londres pra mais pertinho de ti. :))
      xx

  2. Maria Cristina Barazal Dadazio

    Rafa!

    Você é uma graça de pessoa!!! e sua forma de escrever e explicar sua trajetória é muito bacana, a gente lê e já se sente seu amigo.

    Parabéns

  3. ALEX

    Bom dia Rafa
    Sou do Brasil e estou pretendendo ir trabalhar em uma cidade aí próximo, em
    Milton Keynes.
    Gostaria muito de saber de vc qual o tipo de visto primeiramente para entrar no país?
    Vejo muito seu vídeo e estou muito empolgado para ir trabalhar aí.
    Grande abraço.

  4. Caio Santos

    Fala Rafa, adorei sua hostória… E sempre foi meu sonho ir pra Londres.. Já to decidido a ir…. Como faço?? Qual é o Processo?
    Me ajuda ai..

    1. Rafa Autor da Postagem

      Opa, beleza?
      Demais, planeja direitinho e manda ver! Dá uma olhada no guriinlondon.com/faq que tem várias informações e caminhos pra te ajudar por lá. 😉
      Valeu!

  5. Guilherme Goncalves

    Bom dia Rafa. Acho que estou meio atrasado no tempo cara, mas so fui ter contato com teu canal no youtube ontem (31/11/16). Mas ja posso afirmar que, pelo modo da edicao dos videos, do conteudo e da forma com que eh gravado, eh o melhor canal disparado. Incrivel, mas morei quase 5 anos em Oxford, e muitas das curiosidades que tu mostra, eu nem fazia ideia.

    1. Rafa Autor da Postagem

      Que legal Guilherme, nunca é tarde pra chegar! hehe seja bem-vindo ao blog e ao canal.
      obrigado pelo feedback, de coração.
      Realmente espero que não seja 31/11 senão tu és uma criatura especial. :0
      Demais, valeu mesmo. Grande abraço!

      1. Guilherme Goncalves

        So agora lendo tua resposta que me dei conta na data que coloquei… novembro??? heheheh! ja to um mes adiantado entao. Esta nos planos mudar de novo pra England no proximo ano, e com certeza um tour guiado sera feito.
        Abraco aqui direto do litoral de Santa Catarina.

  6. Igor

    Nobre, Rafa.

    Primeiramente, parabéns pelo canal do Youtube e pelo blog.

    Não sei bem como acabei descobrindo teu trabalho como jornalista. Acho que foi alguma sugestão de vídeo pelo Youtube.

    Decidi deixar este comentário ao ler este post sobre a tua história, principalmente por este parágrafo:
    “Cada vez mais pretendo fazer um trabalho completamente voltado pro BEM e pro lado positivo. Seja com o blog, com o canal ou o que for. Tenho certeza que isto retorna também de forma positiva sempre. Se não voltar, pelo menos posso dormir tranquilo todas as noites.”

    Aproveitando a deixa, gostaria de comentar que apesar do teu canal e blog parecem direcionados para um público mais jovem, solteiro e tal, eu não me enquadro nesse perfil. Tenho 35 anos, sou casado, tenho um filho pequeno. Não sei se essa informação vai te servir pra alguma coisa, mas resolvi falar. 🙂

    Parabéns mais uma vez.

    Um grande abraço.

    PS: Que “inveja” das tuas idas aos pubs ingleses… Um dia espero poder dar uma volta por ai e visitar alguns.

    1. Rafa Autor da Postagem

      Fala Igor beleza?
      Obrigado pelo feedback, de coração, e por todo o carinho.
      Na verdade a faixa etária do meu público é jovem – o que inclui a tua idade também. 🙂
      A gente se vê por aqui então, venha logo! Abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *